Strict Standards: Only variables should be assigned by reference in /home/revistat/public_html/lib/canal/modulo.php on line 239

Strict Standards: Only variables should be assigned by reference in /home/revistat/public_html/lib/canal/modulo.php on line 239

Strict Standards: Only variables should be assigned by reference in /home/revistat/public_html/lib/canal/modulo.php on line 239

Strict Standards: Only variables should be assigned by reference in /home/revistat/public_html/lib/canal/modulo.php on line 239

Strict Standards: Only variables should be assigned by reference in /home/revistat/public_html/lib/canal/modulo.php on line 239

Strict Standards: Only variables should be assigned by reference in /home/revistat/public_html/lib/canal/canal.php on line 514
você está aqui: » Noticias 

Tosse

Qual pode ser a causa?

Camila Cruz - em 27/06/2012, 15h18
foto
Foto: thinkstockphotos.com

Sabe aquela tosse chata e insistente que temos de vez em quando? Pois então, esse incômodo até nos parece corriqueiro, mas pode ser um sinal de que algo não vai bem com a saúde. A tosse não é uma doença, mas um sintoma relevante que pode significar desde um resfriado comum até algo mais grave, como uma pneumonia, tuberculose ou até mesmo câncer de pulmão.

Pneumologistas alertam que é fundamental identificar a causa das que duram mais de 20 dias, pois tosse por tempo prolongado exige atendimento médico e diagnóstico preciso.

A tosse é um mecanismo de defesa do corpo e indica que a pessoa pode estar com alguma doença respiratória. Quando começamos a tossir, é sinal de que o corpo está tentando proteger o pulmão, expulsando a secreção ou corpos estranhos que estejam causando uma possível inflamação ou irritação. Existem dois tipos de tosse: a aguda (ou produtiva), que é passageira, apresenta secreção e dura até três semanas, e a tosse seca (ou persistente), que dura mais de três semanas. Neste caso, é fundamental procurar um médico, pois pode se tratar de uma doença mais séria.

Especialistas explicam que o diagnóstico correto é de extrema importância, por isso, além do exame clínico e do levantamento do histórico do paciente, outros exames de laboratório e de imagem podem ser necessários, principalmente o raio-x do tórax. Uma questão à qual o paciente precisa ficar atento e que deve ser avaliada pelo especialista é a cor da secreção que a pessoa expeliu.

Quando é aquosa e clara, geralmente pode estar associada a alergias, infecções virais das vias respiratórias superiores, asma ou irritações provocadas pelo fumo. Secreção mais espessa, de coloração amarelada ou esverdeada pode significar bronquite, sinusite ou pneumonia. As cores marrom e vermelha podem indicar a presença de sangue e sugerem irritações graves, como pneumonia, tuberculose ou câncer de pulmão. É claro que isso é apenas um indicador, pois a tosse é característica de diversas doenças, e os outros sintomas também são importantes para um diagnóstico preciso.

A automedicação também é um problema sério quando o assunto é tosse. Aí as alternativas adotadas pela maioria das pessoas vão desde xaropes, produtos naturais, balas e até mesmo anti-inflamatórios... Mas, na verdade, o tratamento correto depende muito do diagnóstico. Tratar a sua causa é muito melhor do que apenas usar medicamentos para inibir o sintoma. Isso é ruim porque o problema persiste e, além de um tratamento inadequado não curar, faz com que a tosse fique mais frequente e intensa. Por isso é tão importante buscar ajuda profissional.

Na maioria das vezes, as pessoas acham que estão tossindo por causa de um resfriado ou gripe passageira, mas nem sempre isso está certo. E atenção! Não existe tosse que seja normal, muito menos em pessoas fumantes, pois o cigarro é um agente agressor responsável por várias doenças que levam à tosse crônica. Uma dica dos especialistas para todas as pessoas é ingerir muita água nos casos de tosse com secreção, pois o mecanismo fundamental para o tratamento da tosse é a hidratação do muco. Outra dica é tentar controlar a umidade dos ambientes onde se trabalha e se dorme.

Doenças que têm a tosse como sintoma

Refluxo

São muitas as causas do refluxo, que ocorre quando o suco gástrico faz o caminho de volta para a boca, irritando a mucosa do esôfago e da laringe, provocando, então, a tosse.
Geralmente esse sintoma aumenta ao se deitar, à noite, e após as refeições. Para detectar o problema, o médico pode fazer alguns exames, como a PHmetria esofagiana ou a endoscopia.

Asma

Tosse persistente também pode ser sintoma de asma, uma doença inflamatória que atinge as vias áreas. No Brasil, o Estudo Internacional de Asma e Alergias em Crianças estima que um em cada cinco brasileiros tenha a doença. No SUS, 350 mil pessoas ficam internadas por ano. A tosse do asmático pode aparecer sem qualquer outro sintoma tradicional da doença, como chiado no peito e sensação de aperto no tórax. Ela piora bastante à noite e após esforços e exercícios físicos. Para tratar a asma, costuma-se usar broncodilatadores, as famosas “bombinhas”. Além disso, é importante manter distância de ambientes que possam causar alergia.

Rinite e sinusite

Médicos afirmam que todos aqueles que sofrem de rinite alérgica em algum momento correm o risco de ter sinusite, e as duas doenças têm como sintoma a tosse. A rinite é um processo alérgico que ocorre no nariz, desencadeado pelo contato com uma substância tida como tóxica pela mucosa nasal, como, por exemplo, a poeira. Além da tosse constante, quem tem a doença pode apresentar coceira na garganta, espirro, coriza e nariz entupido.

Já a sinusite tem como sintomas a dor forte na cabeça e nos olhos, febre, cansaço, perda de apetite, secreção amarelada e até com um pouco de sangue. Nos dois casos, a secreção faz com que o nariz fique inchado e entupido, não podendo ser excretada naturalmente, por isso escorre pela garganta e goteja nas cordas vocais, causando a tosse.

Pneumonia

A pneumonia pode ser causada por vírus, bactérias ou até mesmo pela tuberculose. Existem vários tipos da doença, e os sintomas são tosse com catarro, febre, fraqueza e pontadas no peito. Muitas vezes, a pneumonia começa com uma infecção viral que evolui para o tipo da doença bacteriana. Neste caso, o vírus causa uma lesão na mucosa, que fica vulnerável à doença.

A forma de evitar é ficar atento aos sintomas até mesmo das gripes fracas e, para as pessoas com mais de 65 anos, existe a vacina pneumocócica, oferecida gratuitamente pelo SUS.

Tuberculose

Segundo dados do Ministério da Saúde, há cerca de 70 mil novos casos de tuberculose por ano no Brasil. Os sintomas são perda de peso, falta de apetite, suor à noite e febre, mas o principal deles é a tosse seca por tempo prolongado, que pode se agravar com a presença de secreção e pus.

O tratamento é à base de antibióticos, dura seis meses, deve ser cumprido corretamente e é 100% eficaz. É importante ficar atento aos sintomas e evitar o contato direto com pessoas com tuberculose, até porque a bactéria é transmitida de pessoa para pessoa pela saliva. Ambientes arejados são fundamentais para combater a bactéria da doença.

Câncer de pulmão

Infelizmente, raramente o câncer de pulmão é nítido e específico, sendo, muitas vezes, descoberto por acaso. Alguns dos principais sintomas são: tosse que não desaparece e piora com o passar do tempo; dor no peito constante; escarro e secreção com sangue; chiado ou ronquidão; falta de ar e fadiga e pneumonias de repetição.

Os fumantes devem tomar muito cuidado, e consultar um médico regularmente.

feeds facebook twitter google+ canal do youtube

Revista Total Saúde

Rua: Alberto Néder, 328

Sala 35 - Centro Empresarial Alto do Prosa

Cep - 79002-160 Campo Grande/MS

Telefone:
(67) 3313-6200 / 3313-6201